Postado em 3 de julho de 2018 por Lu Bento

O leituras maternas de hoje é pra trazer polêmica. Sim, falaremos sobre mães arrependidas. Será é que possível se arrepender da maternidade? Se é possível, será é adequado falar sobre isso? Confira minhas impressões da leitura do livro da antropóloga israelense Orna Donath.

 

Mães Arrependidas – uma outra visão da maternidade

Autora: Orna Donath

Editora: Civilização Brasiliera ( Grupo Record)

 

A maternidade envolve uma mudança gigantesca na vida das mulheres. Ela pode ser muito desejada ou pode ter acontecido de repente, mas não faz diferença. O impacto das mudanças é totalmente imprevisível, e pode resultar em sentimentos de arrependimento.  Nessa pesquisa magnífica da antropóloga Orna Donath, diferentes mulheres compartilham seus sentimentos de arrependimento com relação a maternidade, muitas delas mães de vários filhos, outras até avós.

O livro é extremamente provocador e inquietante, principalmente para mães, porque não somos estimuladas a questionar os nossos sentimentos com relação a maternidade. Estamos tão culturalmente condicionadas a compreender a maternidade como uma dádiva na vida das mulheres que nos parece tão ingrato sentir qualquer outra coisa que não felicidade por ter filhos que essa assunto se torna tabu. Por isso esse livro é tão espetacular.  Ele aborda a possibilidade de mulheres se sentirem frustradas por terem seguido pelo caminho da maternidade.

Tendo em vista que o arrependimento marca o ‘o caminho não tomado’, arrepender-se de ser mãe indica que há na verdade caminhos que a sociedade proíbe as mulheres de tomarem, eliminando a priori vias alternativas como a não maternidade.

Mães Arrependidas – orna donath

A liberdade de escolha de ser ou não ser mãe ainda é muito restrita. As mulheres que não desejam ser mães são bombardeadas com a possibilidade de sentirem culpa essa escolha, como se o arrependimento só pudesse ocorrem quando não se tem filhos. A pesquisadora fala que essa “liberdade condicional” em decidir se tornar mãe ou não é ditada pela sociedade que em diferentes instâncias associam a realização feminina à maternidade, deixando claro que crianças nascem porque muitas vezes as mulheres não têm ou não veem um caminho alternativo para si.

Uma das coisas que eu achei mais bacana é que as  mulheres verbalizam e refletem sobre o arrependimento, e é desconcertante como a gente se identifica e compartilha muito dos sentimentos dessas mulheres que se arrependeram da maternidade. Mas, diferente das mães que não nutrem sentimentos de arrependimento, as mães arrependidas compreendem que tornar-se mãe foi um erro. Cada uma delas diz claramente que deixaria de ser mãe se tivesse essa oportunidade. E mesmo amando os filhos, elas sabem que seriam mais felizes se eles não fossem seus filhos ou mesmo não existissem.

 

Esse é um livro  que mexe com questões muito profundas da sociedade e na nossa subjetividade feminina e foi uma leitura que mexeu muito com os meus sentimentos. Desenvolvi uma profunda empatia com essas mulheres e tenho vontade de falar com cada mulher para que pense muito antes de se decidir pela maternidade, mesmo que isso não seja garantia contra o arrependimento.

E como eu ainda tenho muito pra falar sobre o livro e esse post se tornaria quase outro livro de tanto que eu marquei meu exemplar de Mães Arrependidas, então aos poucos vou desenvolvendo minhas impressões sobre esse tema aqui no blog.

Li esse livro em maio e foi interessante o contraste entre as propagandas e as homenagens as mães que tomaram conta da mídia nesse período e a crueza da maternidade pelo ponto de vistas de mães arrependidas de terem embarcado nessa. Mostra que todo pode ter mais de uma percepção.

Recomendo muito essa leitura para mulheres e mulheres-mães como uma forma de nos apropriamos de questões de nos afetam. A maternidade envolve muito mais que os comerciais de tv, os discursos sobre a beleza da maternidade e a nossa impressão como filhos e filhas podem dar conta. Já está na hora de olharmos para a maternidade como uma relação entre pessoas e uma condição que causa um impacto profundo na existência da mulher. E esse livro pode ajudar na desconstrução da maternidade romântica.

Meu amor pelo livro:


Se você gostou e pensa em adquirir esse livro, compre pelo nosso link da Amazon. Assim, além de garantir uma boa leitura, você ajuda na manutenção do AMP.

Comentários no Facebook

Veja mais em Literatura e Literatura para adultos

1 de julho de 2018 No LêproErê de hoje uma graphic novel que faz justiça a um personagem tão desvalorizado da Turma da Mônica...