Postado em 20 de abril de 2017 por Lu Bento

Ontem saiu um texto da Patrícia Froes no blog #AgoraÉQueSãoElas, da Folha,  intitulado “Filho, o mundo não é seu”, falando da sua experiência em ser mãe de um menino branco e abonado e da necessidade de ensinar ao filho que o mundo não é dele.  O texto é bem interessante e o título me provocou a ponto de pensar que ela falava em termos mais gerais, fazendo uma contraposição a noção que a nossa geração Y teve de que somos o centro do mundo. Comecei a ler o texto bem de boa, pensado nessas coisas mas logo percebi que ela falava de um ponto bem específico e necessário. O que Patrícia traz é uma reflexão sobre a posição do homem branco e rico na sociedade brasileira. Ressalto que Patrícia não usa o termo rico, e eu o uso sem nenhuma conotação ofensiva,  apenas para que a gente possa realmente colocar as ideias às claras.

Muitas ideias me vem sobre as reflexões trazidas por Patrícia e pela ausência de problematização da questão racial na desconstrução dos privilégios.  E obviamente, fiquei tentada a escrever sobre isso. Rascunhei um texto, pensei muito sobre o assunto e em como expressar a necessidade das pessoas brancas se posicionaram diante do racismo de forma assertiva e combativa,  mas no final das meninanegrapulando1contas, pra mim,  é muito mais importante gastar minhas energias reafirmando pras nossas pretinhas que o mundo é delas. Que o mundo é nosso!

Porque essa mesma sociedade que  passa o tempo todo reforçando que o mundo é dos homens brancos e ricos, também reforça que o mundo não é das mulheres negras. E aí a questão de classe se torna menos relevante, porque basta ser negra para a mulher seja discriminada, não importa o quão recheada é a sua conta bancária. A sociedade grita o tempo todo que o mundo não é nosso. Tão alto que muitas vezes não conseguimos ouvir nossa voz interna nos dizendo para ocupar nosso lugar no mundo. Como mulher e mãe negra, se eu tenho forças pra lutar, que minha luta seja para que essas meninas negras não sejam empurradas para a subserviência e baixa autoestima pela enxurrada racista que recebemos todos os dias. Porque eu desejo que nós, mães e pais de pretos, sejamos a barreira de contenção que não deixa a autoestima das nossas novas gerações cair barranco abaixo. E mais que isso, que nós sejamos molas propulsoras, colocando nossas crianças para voarem futuros ainda mais altos do que o sistema racista espera de nós.

Reafirmando a negritude

Eu tenho filhas pretas. Eu poderia dizer simplesmente estimular minhas filhas dizendo “filha, o mundo é seu”. Mas não colocar a nossa negritude nessa frase de motivação e incentivo das meninas negras é uma forma de cair no mito da democracia racial que nos invisibiliza e nos desumaniza, como negros tivessem que se sentir contemplados pelo padrão branco e o discurso de que “não importa a cor”. A cor da pele importa sim! Muito. Uma mulher branca alcançando um posto de destaque em uma grande empresa não é o suficiente para que eu e minhas filhas nos vejamos nessa posição pelo simples fato de que quase nunca vemos uma mulher negra nessa posição de destaque e sucesso como uma representação de conquista de todas as mulheres. Quando uma mulher negra ascende ela é vista e lembrada como uma referência para as mulheres negras e só.

modelo-negra-vogue-01

Eu não estou com isso querendo incitar uma divisão racial, uma segregação. Até porque essa divisão racial já existe na sociedade em que vivemos. Raramente uma pessoa branca escolherá uma pessoa negra como referência universal para qualquer coisa porque simplesmente pessoas brancas não se conectam com referenciais negros.  Uma revista com uma modelo negra na capa vende menos que uma revista com uma modelo branca. Por que isso acontece? Porque o público da revista, majoritariamente branco, quando vê uma mulher negra na capa entende que aquela matéria não é pra ele, não é do interesse dele. Como reação a isso,  as revistas colocam menos negras nas capas e alegam que “negro não vende”.

O ciclo é perverso, é cruel e contínuo. Ele se retroalimenta quando a vendedora diz pra menina branca que ela não deve comprar uma boneca negra porque a boneca bonita é a loira de olhos azuis ou quando a professora dá um lápis rosa chamado “cor de pele” para que a criança negra pinte o desenho. O tempo todo nossas crianças “aprendem” que nossa cor de pele não é valorizada e que a gente “precisa” se sentir contemplado por representações brancas.

Então, ao falar pras minhas filhas que o mundo é delas, eu reforço e valorizo nosso lugar de mulher preta, coloco o Pretinha como um vocativo afetivo e com isso, reforço o olhar positivo para a nossa negritude.

Fortalecendo a autoestima

World map (globe) in an African school

Nossa missão é romper com esse ciclo, ocupar os espaços, abrir portas, chutá-las se for preciso. Pretinha, o mundo é seu! Não aceite quando falarem que você não tem o perfil. Não ceda quando falarem que seu cabelo ficaria melhor se você fizesse uma escova. Não desista quando falarem que seria melhor você cursar pedagogia ou invés de engenharia porque existem engenheiras negras. Pretinha, o mundo é seu! Ocupe-o! Tome posse do seu espaço, questione os privilégios, afronte os privilegiados. Porque, na realidade, não podemos esperar que ninguém ceda seus privilégios e nos dê acesso ao nosso espaço de direito. Precisamos ir lá e ocupar. E mostrar que a gente tem plenas condições de ocupar esses lugares tão bem ou até mesmo melhor que todos esses que hoje têm acesso a eles por serem privilegiados. E não é porque nosso acesso foi garantido por ações afirmativas que nosso direito e nossa capacidade de estar lá devem ser questionadas ou diminuídas.

 

Pretinha, o mundo é seu! Não precisa esconder ou se envergonhar de ter feito algo incrível e ter seu talento reconhecido. Não precisa baixar a cabeça e se desculpar por tudo que deu errado, quando você não tepretinha, o mundo é seunha culpa nenhuma nesse processo. Não precisa desistir antes mesmo de tentar com medo de ser barrada. Não precisa ter medo de romper com os lugares que o sistema racista destina para as mulheres negras.

Ser mulher e negra não é essa molezinha de ter tudo esperando por você. É um remar contra a maré racista que insiste e nos levar pro fundo. Quando a gente repete pra uma menina negra que o mundo é dela, estamos também repetindo pra nós mesmas. O mundo é nosso, pretinhas!  A construção da nossa autoestima é um processo constante, porque a desconstrução racista também é.  Então repita em voz alta pra si mesma e pra todas nós: pretinha, o mundo é seu! Somos resistência e não tem sistema racista e machista que vai nos fazer parar. O mundo é seu, pretinha. Não tenha medo de ocupar o seu lugar.

Postado em 8 de abril de 2017 por Lu Bento

Olá Pessoal!

Estou de volta. Sim, dei uma sumida bem louca e bem mais intensa que o normal. Precisava de um respiro.  Eu não queria mais escrever nem pensar sobre a maternidade, queria dar um tempo nisso de blog, de facebook, de qualquer coisa que me colocasse de alguma forma em evidência.

P_20161107_150242_BFO motivo oficial da ausência foi a reestruturação do blog. De fato alterar a cara do blog dá um trabalhão e leva um certo tempo. Mas eu estava tão saturada de tudo isso que nem motivação pra atualizar as informações eu tinha. Acabei deixando tudo paradão mesmo pra descansar a mente. Tirei férias, assisti um monte de séries, saí com o marido e as filhas, trabalhei na InaLivros, minha livraria, e preguicei muito. Muito mesmo. Foi um período de relaxamento total.

Uma das coisas que contribuiu muito para a minha ausência durante esse temo foi que eu participei, no final do anologo_ame passado, um curso incrível sobre empreendedorismo materno com a querida Melodia Moreno. A Academia de Mães Empreendedoras me deu um monte de insigths para melhorar aqui no blog e nos trabalhos que realizo na vida. E foi  a partir da A.ME. descobri que quero muito falar mais sobre gravidez de risco e perda gestacional.   Sim,  esses temas fazem parte da minha vida há 10 anos e eu preciso compartilhar isso com outras mulheres. Tem muita coisa que eu aprendi com meus abortos e com as minhas gravidezes de risco,minha experiência de vida pode ajudar muitas mulheres e eu sei da importância de compartilhar tudo isso. Mas ao mesmo tempo, são assuntos que ainda me doem muito. Que mexem comigo, que me desestabilizam emocionalmente e que eu evito entrar em contato verdadeiro e consciente. Como falar sobre isso, incentivar e apoiar outras mulheres se eu mesma ainda não lido bem com meus sentimentos? Precisava de uma busca interior para reconhecer os pontos de ainda me doem em minha história de vida para ressignificá-los.

Então, a partir do que eu descobri sobre o que eu quero fazer no curso da Mel,  decidi me permitir tocar mais nesses Lu Bento - foto Bianca Santanaassuntos e refletir sobre meus sentimentos e história de vida. Alem da terapia, que eu já tinha iniciado no começo de 2016, busquei formas alternativas de me entender e me expressar. Esse ano comecei a fazer um curso incrível de escrita e autoconhecimento com a maravilhosa Bianca Santana que está me tirando da minha zona de conforto. Além de exercitar a minha expressão escrita, que é fundamental pra quem se propõe a escrever para que outras pessoas leiam, o curso está me fazendo pensar sobre várias coisas na minha vida e descobrir outas formas de me ver e ver o mundo. É um curso só pra mulheres e tem uma vibração toda especial de apoio e irmandade que tem me fortalecido demais nesse propósito de busca interior. Quando olhamos pra dentro vemos todas aquelas coisas que tentamos por muito esconder de nós mesmos. Então, estou diariamente diante desse meu espelho interno, olhando pras minhas feridas e cuidando delas para que finalmente cicatrizem, deixando aquelas marcas de quem tem histórias pra contar.

9d41f7b342496988897d004af87fe87aNo final do ano passado também dei algumas entrevistas sobre maternidade e negritude que me fizeram refletir ainda mais sobre tudo que  blog e os espaços de maternância negra representam pra mim. E o quanto a gente precisa de mais espaços assim. Com isso, eu também parei pra analisar o conteúdo eu tenho compartilhado com vocês, quais questões eu tenho abordado aqui e como eu tenho feito tudo isso. Percebi que agora esse não é mais só um espaço de desabafo, já ganhou outra dimensão de existência: este é um espaço coletivo de fortalecimento de mães negras e de informação para as pessoas que buscam uma atitude antirracista. E eu preciso aprender a lidar com isso. Não é tão fácil e nem natural pra mim me ver nesse lugar, mas sei que esse lugar  é fruto de uma construção que  tenho feito ao longo dos anos e esse blog já nem é tão novinho assim. O AMP já está em seu 3º ano no ar.

Outro passo que dei e que fico muito feliz em ter começado a me moyoga1vimentar nesse sentido foi que decidi estudar tarô.  Com o apoio da Marcela Alves, tenho  mergulhado nas cartas para desvendar suas mensagens e significados  e esse movimento rumo ao não explicado cientifica
mente têm me ajudado a perceber outras dimensões da vida, que se me afastam desse ceticismo todo que geralmente domina a vida ateia. Também comecei um curso sobre chakras com a querida Debora Pivotto e tem sido surpreendentemente incrível. Só a oportunidade de viver a experiência de leitura de aura já vale muito a pena. Como essas leituras têm sido importantes pra destravar em mim falas que eram muito contidas nas seções de terapia. Sem dúvidas todo esse movimento complementar de autoconhecimento melhorou  muito minha interação nas sessões de terapia e me sinto muito bem.

Paralelo a tudo isso, meu marido agora trabalha em casa e assumiu muitas das responsabilidades com as meninas, o que me permite fazer todo esse movimento de olhar pra mim. Vocês  sabem o quanto é importante temos a possibilidade de ter um tempo pra si dentro da nossa rotina caótica de mãe/esposa/trabalhadora. Só para que vocês tenham uma ideia da importância desse tempo, hoe eu tomo banho sozinha, eu passo cremes no rosto, no corpo e no cabelo antes de dormir, eu assisto minhas séries favoritas. Eu existo para além das minhas funções de mãe, esposa, dona de casa e trabalhadora. E eu repito muito o “eu” simplesmente porque depois de tanto tempo falando e pensado o nós, poder falar e pensar o eu é fascinante!

Estou em uma verdadeira jornada em busca do meu autoconhecimento e minhas potencialidades  e esse caminho tem várias etapas e desafios. Falarei melhor sobre a minha jornada em outra postagem,  agora eu só queria ressaltar que estou vivendo um processo de transformação intenso e dolorido, que cutuca minhas feridas e destrói crenças que eu cultivei para me esconder em minha dor.

Então a volta ao blog exprime um pouco disso tudo que estou vivendo e que ainda vou viver esse ano. É provável que tenhamos mais textos sobre autoconhecimento, autocuidado e autoestima por aqui na categoria Empoderamento, bem como alguns textos literários autorais na categoria Escrevivências. As categorias agora estão melhor divididas. Continuo falando de Maternância e Literatura, minhas maiores paixões. Coloquei em categorias específicas os textos mais voltados para Educação e Combate ao Racismo, já que muitas pessoas chegam aqui a partir desse temas. Outra categoria nova é a de Inspirações, onde eu indico outras trabalhos incríveis nas redes sociais sobre os temas do blog e compartilho um pouco do que curto por aí.  E, a que sinto ser a categoria mais especial de todas, é a Mães Pretas, onde eu publico textos de outras mulheres e mães que querem compartilhar também suas histórias. Precisamos de espaço nas nos expressar e nos ouvir. Alguns vezes serão textos próprios dessas mulheres, outras vezes serão entrevistas. O formato não é o mais importante no momento e sim o conteúdo e a cura coletiva que ele proporciona. Sintam-se convidadas a colaborar com esse espaço.

AMP - Capa para faebook

Não poderia deixar de agradecer ao Célio Campos, Mutanóide, o artista incrível que fez a ilustração do blog e maravilhosa Ella Jardim que fez todo o design e deixou o blog com essa cara bem mais moderna e funcional.Muito obrigada! O trabalho deles ficou muito legal, amei o resultado e gostaria de ouvir as opiniões de vocês.

A verdade é que voltei pro blog cheia de projetos e desejos, uma energia que percorre meu corpo e transborda em vontade de compartilhar com vocês  meus pensamentos e experiências.

Bem-vindos de volta! Bora ocupar esse espaço que existe pra gente!

 

Postado em 25 de outubro de 2016 por Lu Bento

[h1title title=”TSM#4 – Comparação entre mães” style=”single”]

Fala galera! Hoje é dia de terapia do ser mãe aqui no blog! Vamos conversar um pouco sobre maternidade?

tsm-4 comparação entre mães

Se comparar com os outros é um ato natural e humano. A gente faz isso o tempo todo, e isso é uma tentativa de avaliar e se perceber parte de um grupo. Por isso mesmo é tão difícil deixar de se comparar. Nos comparamos a outras pessoas para descobrir semelhanças e diferenças com essas pessoas que funcionam como parâmetros. O problema é o julgamento que vem logo em seguida, embutido no ato de se comparar que nos faz estabelecer uma hierarquização entre os elementos comparados. Este é o certo, aquele é o errado. Este comportamento é superior e aquele, inferior. Este é jeito criar os filhos é o melhor e aquele é o pior. As comparações acabam tomando um viés competitivo e rotulador, e isso não é bom pra ninguém.

O primeiro ponto desse pensamento é a importância de evitarmos comparações com as práticas e vivências de outras mães. E a gente esquece disso o tempo todo, principalmente quando vemos uma mãe com a casa arrumada, filhos felizes e vida organizada enquanto  a nossa vida está um caos, tudo bagunçado e crianças totalmente fora de controle. A primeira coisa que a gente pensa é o quanto aquela mulher é “melhor” mãe, não é? Então, isso é nocivo pra caramba, porque desconsidera todo o nosso esforço e toda a especificidade da nossa própria família. A gente não sabe o que passa naquela casa pra ela conseguir este nível de organização, e mesmo quando a gente sabe, nem sempre as técnicas empregadas lá funcionam de fato na nossa família. Porque as pessoas são diferentes! Não em jeito!

Se comparar a outras mães é inútil, ineficaz e ineficiente! A gente só se desgasta com essas comparações e se deprecia. Toda família tem suas dificuldades e desafios. E a maternidade não é uma competição entre mulheres-mães.

Esta é a sua família

O livrinho, como eu já disse, tem uma pegada bem religiosa e pra quem acredita em Deus, essa frase já é determinante pra enfraquecer o desejo de se comparar a outras mães. Mas mesmo sem uma explicação espiritual pra isso, o fato de que esta é a sua família não muda. É com estas pessoas que você, como mãe, precisará interagir e construir um consenso, então não há porque se comparar. São pessoas com personalidades diferentes, que valorizam coisas diferentes, assim como você não é exatamente igual às outras mães. Então não tem como acreditar que um mesmo método cristalizado de educação e de negociação familiar funcionará para as duas famílias.

tsm4-frase
Aceitar que somos diferentes e que reagimos de forma diversa a cada ação, é o primeiro passo para resistir à tentação da comparação. A mãe da sua família é você e a criação de filhos não é uma competição entre mulheres, não custa repetir.  Tudo que você precisa fazer é buscar o melhor para você individualmente e para seus filhos e sua família como um todo. O melhor é o que pode ser feito. Não adianta colocar as práticas de outras famílias em um pedestal se nada daquilo é aplicável à sua realidade.
Esta é a sua família e você tem todas as ferramentas pra fazer funcionar da melhor maneira para vocês. Não adianta se comparar com outras dinâmicas e realidades quando essa comparação gera frustração e sentimentos de inferioridade e impotência. Aprender com outras práticas familiares, se inspirar em atitudes de outras mães é maravilhoso e ajuda bastante, mas sem essa carga emocional negativa que a comparação trás.

A rivalidade entre mulheres e a mãe negra

Essa prática de comparação entre mães é reflexo de uma cultura machista que estimula a rivalidade entre mulheres. Cada vez que a gente entra nesse jogo perverso, estamos fortalecendo estruturas machistas. Estamos fortalecendo a crença de que mulheres ~naturalmente ~não se dão bem. A gente não precisa disso. Precisamos nos fortalecer mutuamente, precisamos nos apoiar. Quando a gente não se compara a outra mulher a gente sai da lógica de competição entre mulheres e entre na lógica da sororidade.

Quando a gente pensa especificamente a situação das mães negras,  cenário de competição é ainda mais cruel. Somos a maioria dentre as mulheres que criam e educam seus filhos sozinhas. Somos a maioria dentre as mulheres que trabalham para garantir o sustento dos filhos. Somos a maioria dentre as mulheres que estão em situação de  vulnerabilidade social. Então, se comparar com outras mães chega a ser uma crueldade com nós mesmas. É humanamente impossível que a gente siga todas as dicas que vemos em blogs maternos ou ser aquela mãe da propaganda de tv. Não dá! A realidade é outra e muito mais dura para as mães negras.  Por isso, não se cobre por não conseguir implementar todas as dicas daquele livro de referência.

Deixar de se comparar às outras mães torna o exercício da maternidade mais leve, além de te dar mais confiança para realizar as coisas à sua maneira.


Bom pessoal, esse foi o terapia do ser mãe desta semana. Pra quem está chegando agora, eu explico direitinho a proposta dessa série  de postagens aqui.

E aí, vocês se comparam muito a outras mães? Deixem os comentários aí embaixo ou em nosso facebook!

Até a próxima semana!

Postado em 19 de outubro de 2016 por Lu Bento

Depois de uma eternidade, finalmente consegui retomar a regularidade (que nunca existiu) de postagem aqui no blog e retomo também a proposta do terapia de ser mãe. Confesso que fiquei bem chateada quando roubaram meu celular que tinha os áudios de tudo que meio a mente quando eu li o livrinho. Aí fiquei chateada, frustrada e deixei de lado. Mas agora já superei essa adversidade e resolvi parar com essa sofrência de lamentar o material perdido. Bora pra mais uma edição do Terapia do Ser Mãe? Hoje vamos falar do conselho número 3 do livrinho. Preparadas? Então acompanhem aqui:

tsm-3 - pensamento - conselhos repreensivos

Gente, dar pitaco todo mundo quer né? Ainda mais em se tratado de criação de filhos. Não é a toa que dizem por aí que todo mundo é ótima mãe até ter filhos. Porque quando é à vera, a coisa muda de figura. Seu filho idealizado não age da forma que você previu. Você não é tão convincente  e capaz de fazer tudo acontecer da forma que você quer só com um olhar. Você percebe que na prática, toda aquela teoria de como criar filhos não se aplica, simplesmente não dá pra você fazer aquilo daquela forma que você pensou que faria. Enfim, na vida real, você lida com situações reais, e  tudo é imprevisível.

Se você, como mãe, consegue perceber tudo isso, então já deu pra sacar que não adianta tentar dar fórmulas mágicas pra ninguém né? Funcionou na sua casa? Que lindo! Compartilhe a sua experiência e inspire e ajude outras famílias. Mas não venha ditar regras né? Não precisa criar um manual de como ser uma mãe perfeita como você porque todas as suas técnicas podem não servir de nada para outras mães, em outras famílias, outros contextos.

De boa intenção o inferno está cheio

 

Quantas vezes pessoas estranhas já vieram repreender você pela forma como você estava cuidando das suas crianças? Isso é super comum né? Mas como isso é opressor! Ainda mais quando parte de uma mulher mais velha, ou mais experiente com crianças.  Já ouvi várias vezes ” você não pode deixar essa menina assim, sem casaco. Tá frio!” E a menina fica derretendo de calor assim que eu cedo às pressões e coloco um casaco.  Minha filha tava sem casado porque eu sei como se comporta o corpo dela. Eu sei que ela não está sentido frio, mesmo que esteja um pouco frio para as outras pessoas.  O meu instinto e a minha experiência diante da minha família balizam as minhas decisões. E aí, chega uma pessoa estranha, que não nos conhece e me aconselha, em tom de reprovação, a fazer algo?  Isso não ajuda nenhuma mãe! Como já falamos e já sabemos, a maternidade é uma eterna fonte de culpas. E não ajuda em nada certas pessoas interferirem de forma tão hostil em nossos procedimentos e decisões cotidianas.

Algumas pessoas estão sempre prontas para dar pitacos na vida dos outros. Sabe, aquele discurso do “se fosse meu filho não faria isso”. Nem sempre no sentido de nos diminuir ou humilhar, muitas vezes essas pessoas acham mesmo que tem algo ~ revolucionário ~ para ensinar. Como se nós, mães, estivéssemos o tempo todo em busca de alguém para nos ensinar a cuidar dos nossos filhos. Nem sempre a gente está precisando de ajuda e nem sempre essa intervenção em tom de ~ ajuda~ é oferecida para nos ajudar de verdade.

Sobre a nossa necessidade de se empoderar

A maternidade é marcada pela insegurança e pelo desejo constante de fazer o melhor para nossas crias. Umtsm3 - conselhos repreensivosa das primeiras coisas que uma mãe precisa é aprender a confiar em si mesma. Confiar em suas próprias e não comprar esse discurso da culpa que a sociedade tenta nos vender. Você provavelmente conhece várias pessoas que falam em “culpa materna”. Mas toda essa culpa que a gente às vezes carrega só serve pra tornar ainda mais difícil o nosso cotidiano. A gente não precisa disso! A gente não precisa internalizar esse discurso de que somos culpadas por tudo que foge do padrão na nossa maternidade.

Todo mundo erra e ser mãe não nos faz imune a isso. Pense na sua mãe: quantas vezes você não pensou que a decisão tomada por ela não era a melhor no momento? Quantas vezes ela mesma reconheceu isso? A gente tenta sempre fazer o melhor, mas nunca será perfeito. Nunca será! Então o melhor mesmo é confiar em si mesma, confiar em suas escolhas e decisões e seguir em frente. Errou? Tenta consertar. Não dá mais pra fazer diferente? Mude a partir de agora e aprenda com o passado.

Aceitar as nossas limitações é um caminho para o nosso empoderamento e para que a gente possa lidar melhor com a enxurrada de conselhos repreensivos que recebemos.


E aí, o que você achou desse pensamento? Concorda, discorda… já recebeu muitos “conselhos repreensivos”? Conta aí…

E se você não sabe que livro é esse que eu estou usando como base para essas postagens, dê uma olhadinha neste texto onde eu explico a proposta deste projeto.

Postado em 17 de outubro de 2016 por Lu Bento

Nesse final de semana aconteceu o 1º Encontro Iyá Maternância. Já tínhamos feito um aquecimento em abril deste ano pra sentir como as mulheres-mães-negras receberiam o nosso projeto. Nesse encontro de aquecimento foi possível vivenciar na prática o quanto precisamos de espaços de fortalecimento de nossa autoestima e da nossa coletividade.  O Iyá Maternância nasceu de um modo tão intenso e significativo que nós, as organizadoras,  precisamos de um tempo pra entender a potência desse projeto e aceitarmos o quanto ele é necessário para todas nós.  Do grupo inicial, algumas perceberam que precisavam priorizar outros  caminhos antes de seguir com essa missão. Outras maravilhosas mães pretas se juntaram ao projeto e trouxeram uma nova energia. Uma energia de ação e transformação que nos possibilitou colocar o projeto em prática.

img-20160918-wa0046

No sábado passado finalmente conseguimos realizar o nosso primeiro encontro oficial. E foi muito especial! Parece clichê falar da lindeza que foi esse encontro, mas a beleza de existirmos e resistirmos juntas precisa ser exaltada. Foi uma tarde de união de mulheres negras e mães, de brincadeiras entre crianças negras, de vivência comunitária nos cuidados das nossas crias, que naquele encontro não deixaram de ser apenas uma responsabilidade só da mãe biológica,passou a ser de todas. Sabe aquele provérbio africano que diz que é preciso uma aldeia para criar uma criança? Estávamos vivendo a nossa aldeia! E descobrimos juntas o quanto a aldeia pode também fortalecer uma mãe.

Descobrimos juntas que o Iyá nasceu para ser uma rede de apoio às mães negras. E faremos o possível para conseguir atingir um número cada vez maior de mulheres-mães.

O encontro deste sábado nos mostrou que precisamos estar unidas. Que nossas histórias de vida e nossas angustias são muito parecidas. E que precisamos nos fortalecer para fortalecermos nossos filhos e filhas. Não podemos dar aquilo que não temos. Então um espaço de troca afetiva e de apoio sincero precisa ser construído entre nós. Ainda não sabemos todos os caminhos para a construção desse espaço. Mas já estamos trabalhando nos alicerces desse projeto em nós e nas mulheres que nos acompanham.

E as crianças? Ah, as crianças tiveram uma tarde maravilhosa de brincadeiras. Crianças de diferentes idades brincados juntas, se integrando e se  reconhecendo no outro. Bebês e pequeninos tendo as crianças maiores como referência. Um espaço em que nos nossos filhos não são minoria, não são exceção, não são exóticos. Isso não tem preço. Minha filha poder falar que quando crescer quer o cabelo como o da coleguinha negra, um black power poderoso, lindo. Meninos e meninas brincando juntos, sem limitações de gênero, com as bonecas  ou de corrida.

Como uma das coordenadoras do Iyá eu sinto uma felicidade enorme em fazer parte dessa rede de apoio às mães e crianças negras e poder construir tudo isso com mulheres incríveis ao meu lado. Parceiras de vida. A maternância é uma das melhores dimensões da minha vida, uma das coisas que me dá mais prazer e um sentimento de estar contribuindo para a felicidade das pessoas ao meu redor.

iya maternancia 4 - foto em grupoAinda estou em êxtase pela experiência de sábado. Ainda estou encantada com tanta lindeza que vivemos. Agradeço a cada uma que esteve lá e a todas pelos abraços, beijos, carinhos, escutas atentas e acolhedoras. Só consigo pensar naquela expressão namaste-cult-bacaninha do momento: gratidão! E com o coração cheio de gratidão quero convidá-las a acompanhar o Iyá Maternância. Venham formar essa aldeia com a gente.

Conectando Mães Negras

Eu sei que muitas das pessoas que me leem estão em outros estados. Não se preocupem. Podemos conversar com vocês e ajudá-las a formar suas próprias redes presenciais. Podemos também viver um pouco dessa energia nos grupos virtuais. Não desanime por não conhecer um rede deste tipo na rua região. Construa uma!

O Iyá Maternância tem já conta com diversos canais de comunicação e fortalecimento de mães pelas redes sociais. Faça parte de um deles ( ou de todos!) e venha construir a sua maternância com a gente!

Iyá Maternância (página) –  facebook

Grupo virtual de apoio a Mãe Negra – gestante e tentante (grupo de facebook)  – grupo de apoio

Iyá Maternância –  instagram

Canal Iyá Maternânccia – canal no youtube

Fiquem atentas, nossa rede está crescendo e queremos alcançar cada vez mais mulheres-mães-negras!

Postado em 3 de outubro de 2016 por Lu Bento

No sábado passado foi eleita a Miss Brasil (nome da marca patrocinadora do evento) 2016. Mais uma miss eleita numa versão modernizada da objetificação da mulher. Sim, podemos tecer várias críticas a esse tipo de concurso. Os concursos de beleza não têm mais a mesma importância de outrora: não param o país, não tem grandes destaques na mídia, não atraem nem grandes marcas e profissionais do ramo da moda. Mais ainda existe uma tentativa de manter o glamour da competição e, por mais que a gente negue, ainda gera uma repercussão e muito assunto nas rodinhas de conversa.

                                                                                                               Lucas Ismael/Divulgação

Em 2016 percebemos um fenômeno que concentrou a atenção da comunidade negra: 6 mulheres negras foram escolhidas como misses em diferentes estados. A cada eleição de uma miss negra estadual, mais as pessoas negras se sentiam representadas. Foi um movimento muito bonito de valorização da estética negra. E isso vale muito para o fortalecimento da autoestima das pessoas negras.
Todo esse movimento de valorização da beleza negra tornou a vitória de uma mulher negra no concurso de Miss Brasil algo esperado. A estética negra está na moda, e quem valoriza isso alcança uma parcela do mercado que está sedenta maior representatividade. Diversas marcas de produtos de beleza estão lançando linhas voltadas para a pele negra e para os cabelos crespos e cacheados. Eles estão começando a enxergar o potencial desde público consumidor e a valorização das modelos negras nesse concurso de beleza é uma prova disso. O que mudou no país de 2015 para 2016 que provocou uma mudança radical no perfil das candidatas do concurso? O empoderamento da mulher negra, passando pela valorização da estética negra, dos cabelos crespos!
A primeira (e única) mulher negra a ganhar esse concurso foi Deise Nunes, em 1986. São 30 anos de concurso e só agora, a segunda mulher negra foi agraciada com o título de mulher mais bonita do país. Em um país com mais de 50% de população negra. Essa é a nossa realidade. Em 30 anos nenhuma mulher negra que passou por aquela passarela foi considera suficientemente bela para carregar a coroa de Miss Brasil. Fiz uma busca pelas candidatas aos concursos dos últimos 5 anos. Em 2015 não identifiquei nenhuma candidata negra. Em 2014, 3 candidatas negras, sendo 2 de pele escura e cabelos crespos. Não passaram da primeira fase. Em 2013, 1 candidata de pele bem escura que conseguiu o terceiro lugar. E em 2012 identifiquei 2, sendo que apenas a de cabelo alisado conseguiu uma vaga no top 10 da competição. Nesta edição, foram 6 candidatas, sendo que apenas a de pele mais escura não conseguiu fazer parte do top 15.

Não sou fiscal da negritude de ninguém, mas o resultado do concurso nos mostra qual é a beleza negra que agora está sendo valorizada. E mostra o quão recente é essa valorização. Uma beleza negra que se aproxima dos “padrões” brancos. Uma beleza negra que pode vender shampoo para cabelos cacheados, e não exige um produto específico para cabelos crespos. Que pode ocupar o espaço de pele “morena escura” na paleta de cores da maquiagem. Beleza que está na moda, na carona de todo um movimento de empoderamento da população negra. A moda se apropria de um movimento e o ressignifica, excluindo a nossa crespitude, a nossa pele carregada de melanina. É mais uma tentativa de nos dizer o que é belo, como devemos ser.

Eu sinceramente fiquei muito feliz com a vitória de Raíssa Santana. De verdade. Ela conquistou os jurados de cara, ganhou as provas de maquiagem e estilo. E fiquei mais feliz ainda com a união e a quantidade de mulheres negras participando e se destacando ao longo do concurso. Nossa beleza existe e precisa ser valorizada. Não estou aqui para desmerecer a vitória da Raíssa e a presença de todas as outra, longe disso. Minha intenção é que a gente não fique só no padrão da moda, que a gente tome esses casos como exemplo e realmente rompa barreiras, a ponto dos jornais não acharam mais natural noticiar a vitória de uma mulher negra em um concurso de beleza como algo exótico e extraordinário. Que a vitória de uma mulher negra em um concurso de beleza não seja apenas um reflexo de uma moda “black is beautiful” transitória, que só se repetirá daqui há 30 anos. Que mulheres de pele mais escura também possam ocupar esse espaço.

São 62 anos de concurso de Miss Brasil e até agora só duas mulheres negras ganharam. Que Raíssa, assim como Deise foi em 68, seja mais que uma pioneira solitária. E que a nossa estética esteja de fato sendo incluída no mercado da beleza, não como uma moda, mas como um retrato da estética da população brasileira. A Miss Brasil 2016 é uma mulher negra. Que em 2017, 2018, 2019… não seja tão inesperado tanta presença negra no Miss Brasil.

Postado em 11 de setembro de 2016 por Lu Bento

Não é fácil lidar com problemas de saúde. Quando esses problemas estão relacionados à gravidez então, fica muito mais difícil de lidar. Toda mulher que quer ser mãe, se descobre grávida e enfrenta problema de saúde durante a gestação sabe o quanto isso perturba o nosso emocional. Hoje quero dividir com vocês a minha experiência de enfrentar duas gestações de alto risco.

Médico é um tipo complicado. Não sei se por lidarem tanto com doenças ou pelo volume de trabalho mais muitos deles vão perdendo a empatia com o passar do tempo e acham que podem falar conosco sobre os nossos problemas de saúde com a mesma naturalidade como falam entre si. Pois bem, gravidezes que necessitam de uma atenção especial, seja por questões de saúde da mãe ou do feto são classificadas como de alto risco. E quando você recebe a informação de que a sua gestação é de alto risco, o desespero toda conta de tudo.

Eu sei bem como é essa situação. Já precisei induzir 2 abortos por IIC e me tornei hipertensa aos 22 anos, o que me fez passar por duas gestações com grande risco de desenvolver pré-eclampsia ou eclampsia. Histórico nada favorável né? Pois é, mas não me fez desistir de ter minhas filhas.

pregnant-black-woman-1-1

Não sei se o caso de vocês tem a ver com alguma situação prévia de saúde, como a minha hipertensão por exemplo, tem a ver com alguma intercorrência gestacional, como a diabetes gestacional o mesmo a IIC, ou se está relacionado a um situação externa que aconteceu durante a gravidez e colocou a sua gestação sob cuidados especiais.   Na realidade, seja qual for o motivo para sua gestação atual ou futura ser classificada como de alto risco, será preciso algumas atitudes para que seja menos difícil encarar os desafios e as limitações decorrentes dela. Eu não te digo que será fácil, não será. Mas apesar das dificuldades, estar grávida pode ser uma experiência muito gostosa e te trazer boas lembranças.

Então vamos falar hoje em 5 passos para encarar uma gestação de risco.

1º passo – acompanhamento médico

O primeiro passo pra encarar uma gestação de risco é ter um acompanhamento médico de confiança. E pra isso, hipertensão na gravidez - gestação de riscoprecisamos de pelo menos dois requisitos: um médico que saiba sobre a sua especificidade de saúde e que saiba te acolher emocionalmente, que se passe segurança e esperança de que sua gestação chegará ao final. Um requisito não funciona sem o outro. Não adianta o profissional ser especialista que se ele faz pouco caso dos seus receios. Precisamos de apoio emocional para dar conta do desafio de gerir uma criança e tratar de uma questão delicada de saúde.  Da mesma forma, não adianta um profissional generalista, que faz o procedimento padrão de uma gravidez sem risco e não presta muita atenção às suas especificidades de saúde.  Isso não dá certo!  Então, buscar um acompanhamento médico que te acolha como um todo, em suas incertezas emocionais e suas necessidades de saúde é fundamental.

2º passo – grupo de apoio

O segundo passo é buscar grupos de apoio. Buscar suporte em outras mulheres que passaram ou passam por situações parecidas com a sua. No meu caso, os grupos de gestantes com IIC foram um suporte maravilhosos. Lá eu aprendi muito mais sobre a minha gestação, os riscos e as possibilidades de tratamento. Além disso, pude compartilhar a minha história com outras mães  e mulheres de histórias parecidas. Pude vibrar com cada nascimento e consolar cada mãe que perdia seu bebê. E saber que você também tem a possibilidade de ter esse apoio é muito estimulante. Dividir nossas dúvidas e anseios com quem vive a mesma coisa que a gente é uma forma de multiplicar forças. Então eu recomendo que você procure esse grupos de apoio nas redes sociais e nos fórum de gravidez.

3º passo – pensamento positivo

O terceiro passo é manter o pensamento positivo. Manter o foco no que pode dar certo, visualizar a sua gravidez  transcorrendo sem grandes percalços. A gente sabe o quanto o poder do pensamento influencia na nossa saúde e na energia que a gente passa para o bebê. Enquanto for possível se manter motivada e confiante, é preciso manter esse estado de espírito. Se você acredita em algo, tem alguma religião, sei lá, essa é a hora de se apegar a sua fé. De vivenciar a sua fé e confiar. E não precisa ser religiosa pra ter fé. Ter fé é acreditar e se você é cética, acredite que ciência, na tecnologia e nas estatísticas que dizem ser possível ter o seu filho.

Uma dadas formas de se manter positiva é pesquisar e estudar muito sobre o seu caso. Até para que você possa se basear nas técnicas e métodos que já deram certo. Mesmo que as estatísticas sejam baixas, existe aquele 1% que deu certo, não existe? Foque nesses casos de sucesso, aprenda com eles e acredite ser possível também para você.

4º passo – viva o momento

gestação de risco - repousoO quarto passo é viver o momento. Sim, viva um dia de cada vez. Comemore cada dia, cada semana, cada mês que você consegue avançar. Pensar na gravidez como um todo, com as suas 40 semanas, pode ser um tanto assustador. É muito tempo! Agora, se você divide em pedaços menores de semanas, dias, fica mais leve a você saboreia vitórias pouco a pouco. E novas conquistas nos deixam ainda mas motivadas. Eu costumava ter metas. Tipo, Chegar a “20 semanas” e isso em deixava animada, porque quando eu chegava, eu via que eu podia ainda mais. Eu celebrava uma vitória e me sentia mais motivada e confiante.

Outra forma de viver é o momento é fotografar, filmar, registrar da melhor forma possível a sua gravidez. Porque por mais que seja um momento difícil emocionalmente e fisicamente pra você, é o momento que você está gerando sua cria! Viva isso! Não se deixe levar pelas dificuldades, se você quer uma festa de chá de bebê mas está de repouso absoluto, faça a festa no quarto! Se você quer um ensaio gestante, mas está internada, faça no hospital! Dê um jeitinho, faça adaptações e viva o seu momento da forma que for possível.

5º passo – apoie quem te apoia

E o quinto passo é motivar quem está a sua volta. Eu sei, que o “certo” era a gente estar recebendo apoio emocional das pessoas a nossa volta. O problema é que quando as pessoas não entendem direito sobre um problema, elas tendem a tentar nos consolar. E neste caso, a gente precisa de apoio emocional e não de cgestação de risco - apoio familiaronsolo. Então, todos os passos anteriores nos fortalecem que a gente possa fortalecer aqueles que não tem tanta motivação como nós. A gente precisa passar pra eles essas postura e essa energia de confiança, porque é a partir da nossa segurança em encarara as dificuldades que eles vão sair daquela zona de medo e passar a confiar também que tudo vai dar certo. Então, por mais que seja contraditório, precisamos ajudar as pessoas que irão nos ajudar nos momentos de fraqueza.

A gente sabe que as pessoas podem fraquejar em algum momento, mas quanto menos a gente se abala com as dúvidas do outro e quanto mais a gente consegue mostrar confiança de que vai dar tudo certo, mas os outros recebem essa energia positiva e passam a perceber que se você que a é a gestante está confiante e fazendo o melhor pra conseguir ter esse(s) bebê(s), não há motivos para que as outras pessoas fiquem tão pessimistas.

Gestação de Risco – Infográfico

Pra ficar um pouco mais visual 5 passos fundamentais para conseguir levar a termo uma gestação de risco sem perder a sanidade, fiz um infográfico pra vocês. Seguindo esse 5 passos você estará muito mais preparada para encarar os desafios de uma gravidez delicada.

5-passos-para-enfrentar-uma-gestacao-de-risco


Então moça, é isso. Se você está grávida ou pretende engravidar e já sabe que pode ter uma gestação de risco, espero que essas dicas tenham te ajudado.  Caso queira conversar sobre isso, deixe um comentário aqui ou me escreva por e-mail. Eu entendo bem o quanto uma gravidez de risco pode ser solitária e desafiadora mesmo quando a gente tem apoio da família e dos amigos.

Postado em 8 de setembro de 2016 por Lu Bento

Combater o racismo  é um dever todos nós. Não importa se você é branco ou negro, se sente o racismo na pelo ou se acha que o país já é bem menos racista que antigamente. Se você acredita que o racismo deve ser erradicado, é preciso adotar uma postura antirracista.

A Unicef lançou uma cartilha com 10 maneiras de contribuir para uma infância sem racismo. Creio que essa é uma leitura fundamental para educadores, pais e quaisquer interessados em promover uma educação antirracista, por isso reproduzo e compartilho aqui o material produzido pela Unicef.

diversidade1 - infância sem racismo

10 maneiras de contribuir para Uma Infância sem Racismo

1. Eduque as crianças para o respeito à diferença. Ela está nos tipos de brinquedos, nas línguas faladas, nos vários costumes entre os amigos e pessoas de diferentes culturas, raças e etnias. As diferenças enriquecem nosso conhecimento.

2. Textos, histórias, olhares, piadas e expressões podem ser estigmatizantes com outras crianças, culturas e tradições. Indigne-se e esteja alerta se isso acontecer –contextualize e sensibilize!

3. Não classifique o outro pela cor da pele; o essencial você ainda não viu. Lembre-se: racismo é crime.

4. Se seu filho ou filha foi discriminado, abrace-o, apoie-o. Mostre-lhe que a diferença entre as pessoas é legal e que cada um pode usufruir de seus direitos igualmente. Toda criança tem o direito de crescer sem ser discriminada.

5. Não deixe de denunciar. Em todos os casos de discriminação, você deve buscar defesa no conselho tutelar, nas ouvidorias dos serviços públicos, na OAB e nas delegacias de proteção à infância e adolescência. A discriminação é uma violação de direitos.

6. Proporcione e estimule a convivência de crianças de diferentes raças e etnias nas brincadeiras, nas salas de aula, em casa ou em qualquer outro lugar.

7. Valorize e incentive o comportamento respeitoso e sem preconceito em relação à diversidade étnico-racial.

8. Muitas empresas estão revendo sua política de seleção e de pessoal com base na multiculturalidade e na igualdade racial. Procure saber se o local onde você trabalha participa também dessa agenda. Se não, fale disso com seus colegas e supervisores.

9. Órgãos públicos de saúde e de assistência social estão trabalhando com rotinas de atendimento sem discriminação para famílias indígenas e negras. Você pode cobrar essa postura dos serviços de saúde e sociais da sua cidade. Valorize as iniciativas nesse sentido.

10. As escolas são grandes espaços de aprendizagem. Em muitas, as crianças e os adolescentes estão aprendendo sobre a história e a cultura dos povos indígenas e da população negra; e como enfrentar o racismo. Ajude a escola de seus filhos a também adotar essa postura.

Participe desta campanha e contribua para Uma Infância sem Racismo.

Acompanhe o tema da redução do impacto do racismo na infância e na adolescência por meio do www.unicef.org.br ou siga o UNICEF no Twitter: @unicefbrasil.

Divulgue para os seus amigos! Valorizar as diferenças na infância é cultivar igualdades!

Postado em 6 de setembro de 2016 por Lu Bento
Hoje é dia do sexo e resolvi retomar as postagens do blog falando sobre a vida sexual da mulher-mãe. Será possível continuar a ter uma vida sexual ativa e saudável depois de termos filhos? Ou depois que as crias nascem a gente entra para aquela categoria do “minha mãe não faz essas coisas?”
Postado em 20 de agosto de 2016 por Lu Bento

Sinônimo de mulher

Puta que pariu

Não aceites de volta

O filho que saiu de teu ventre

Já pariu, já criou

Não é tua a responsabilidade

pelo o que ele fez

Puta que pariu

Não é tua culpa

Se teu filho fez merda

E o outro tenta ofender

Teu trabalho foi já foi feito

Se ele não anda direito

Cabe a ele responder

Puta que pariu

Siga a tua vida

leve, tranquila, sem culpa

Nessa sociedade machista

Em que puta é sinônimo

de mulher

 

Escrito em: Outubro de 2015.

Veja mais em Empoderamento


Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/amaepreta/www/wp-content/themes/AMP/footer.php on line 63