Todos os posts sobre Inspirações
Postado em 19 de julho de 2017 por Lu Bento

Fala Galera!

A Netflix é um mundo, não é mesmo? Estamos em um ritmo bem devagar de eventos por aqui e eu estou em um momento mais recolhida mesmo, recusando diversos convites pra passear por aí e preferindo ficar no meu cantinho. Com isso, a Netflix é a minha companheira fiel, junto com uma xícara de chá de morango e uma barra de chocolate. Somos o quarteto fantástico desse inverno.

A Netflix percebeu vale muito a pena trazer pro catálogo brasileiros obras diferentes do senso comum. Então podemos encontrar lá várias  produções negras e de várias nacionalidades que raramente chegavam até o público brasileiro. Em junho entrou  no catálogo uma leva de produções coreanas e eu acabei assistindo algumas.

Hoje eu quero falar com vocês sobre elas. Nunca pensei que eu fosse ficar tão interessada na cultura coreana. E na verdade, nem sou tão fã assim, não  ouço K-pop ou  assisto as séries e animes mas famosos,  mas fiquei viciada em alguma séries sobre famílias.

Antes, quero falar que a minha atenção se voltou pra Coréia do Sul depois que o conheci o canal do Youtubecoreanissima Coreaníssima, de uma jovem coreana que passou uma temporada aqui no Brasil, aprendeu português  e mantém esse canal voltado pro público brasileiro Lá ela fala sobre a Coréia do Sul e faz relações e comparações com o Brasil. Não sei bem como cheguei até ela, provavelmente zapeando por canais de estrangeiros falando sobre o Brasil, e gostei do modo como ela se expressa, da desenvoltura e do nome escolhido por ela no Brasil, Helena, o mesmo das minhas filhas. São motivos meio aleatórios para começar a acompanhar um canal, mas acabou despertando em mim esse interesse em conhecer mais sobre a Coréia do Sul e hoje eu sigo o Coreaníssima e acompanho todos os seus vídeos.

Quando as séries coreanas chegaram na Netflix, fiquei curiosa em ver a produções. Nunca fui de ver muitos animes e de saber sobre as culturas orientais, mas sei lá, provavelmente meio nostálgica me lembrando de Jaspion e companhia (mesmo sabendo ser uma heresia misturar Japão e Coréia no mesmo balaio), resolvi procurar alguma pra assistir…

Até agora assisti apenas 2 séries inteiras. Parece pouco, mas essas séries entraram no catálogo em junho e eu faço um monte de coisas da vida além de assistir séries. Então dizer que eu assisti 2 séries inteiras significa que eu surtei e maratonei acompanhando séries coreanas quando eu deveria estar fazendo outras coisas, inclusive dormindo.

Sem mais enrolação, vamos às séries:

Minha Bebezinha

Minha BebezinhaGente, que série maneira! Eu fiquei totalmente viciada nesse série e em toda a sua tosqueira. Porque essas séries orientais tem uma pegada bem tosca né? Essa série não é diferente.

Fiquei frustrada em não ter dublagem em português porque Isha Bentia é minha parceira de Netflix e eu adoraria assistir essa série com ela. Ela até assistiu muitos episódios comigo, mas sem conseguir acompanhar o que está sendo dito fica bem chato. A série é bem leve, super acessível pra crianças. Um programa pra toda a família.

Basicamente a série é sobre um cara que é um policial super reconhecido e precisa cuidar da sobrinha de meses após a morte da irmã e do cunhado. A trama toda da série se desenvolve a partir dessa situação e esse cara durão vai se transformando em paizão ao longo da série.

Tem muito dessa coisa de supervalorizar a transformação do cara diante da criação de um criança como se uma fralda trocada por um homem fosse um grande feito e, por uma mulher, apenas mais uma obrigação. Mas  dá pra problematizar e e divertir ao mesmo tempo.   A série mostra um pouco desse universo da maternidade e do cuidados com as crianças e é bem interessante ver como a maternidade é vivenciada em outras culturas.

 Uma das dificuldades que tive no começo foi acompanhar quem era quem. Eu não estou acostumada a ver tantos coreanos, muito meno com os nomes e reconhecer as personagens foi bem difícil no começo. Outra dificuldade é que as mães são conhecidas pelo nome dos filhos, então é mãe de Fulano pra lá, mãe de Sicrana pra cá  e eu fiquei perdidinha no começo. A ordem que  nome aparece na legenda também confunde: primeiro o sobrenome depois o nome. São tantas diferenças culturais que assistir uma série assim acaba sendo um exercício de olhar de outra forma para culturas diferentes da nossa,  tentar compreender as especificidades de cada povo.

Ah, pra quem curte aqueles romances complicados, que o casal principal sempre tem um impedimento pra ficar junto, essa embromation rola durante a série (de uma maneira bem fofa). Essa parte é bem novela mexicana, sabe? Fiquei bem surpresa!

Melhor da série: Atenção especial às barrigas de grávida. Parece zueira, e provalvemente é, mas eles retratam as grávidas com uma almofada da barriga! Os partos também seguem a linha bem pastelão.

Love in her bag

love in her bagEsse é mais um dorama que me pegou de jeito na Netflix.  É a história de duas primas com ambições bem diferentes na vida que se tornam rivais. A série começa na infância e vai até a vida adulta delas, fazendo com que  a acompanhe os acontecimentos que conectam a duas moças de maneiras bem complexas.

Uma das coisas que me chamou atenção na série, além do enredo bem construído, é que ela conta a história de uma família pobre coreana. Os dois primeiros episódios são todos falando dessa família pobre  e, como o pouco que vemos sobre a Coréia do Sul aqui no Brasil tem a ver com tecnologia e coisas bem modernas, ver um pouco da “vida real” na Coréia foi muito interessante para desconstruir esteriótipos.

A série demora um pouco pra engatar, o primeiro episódio é todo contanto a infância dessas mulheres, com direito a tia fazendo pape de madrasta má e tudo. Demorou um pouco pra que eu entendesse sobre o que a série falava e isso é bem complicado quando se trata de uma produção com episódios de 1h. Mas fui insistente e acabei descobrindo uma série bem divertida.

Com um toque fashionista, Love in her bag tem como cenário a industria da moda, sendo ambientada uma marca de bolsas de luxo. Mais uma vez vemos um traço bem coreano de transmissão de um ofício de geração em geração de uma família. A série mostra isso com muita intensidade, todos os jovens tem alguma relação familiar com a industria das bolsas, como se o talento e interesse pelo assunto fosse transmitido via DNA. É bem diferente daquilo que vemos de filhos seguindo o negócio dos pais apenas por conveniência. Tem muita paixão e respeito pela tradição familiar.

As séries coreanas são bem tranquilas, sem cenas de violência (as cenas de tapa na cara chegam a ser ridículas de tão artificiais) ou sexo ( os canais apaixonados nem se beijam na boca, pra vocês terem uma ideia), então são bem legais pra assistir com os mais novos. Os temas não são infantis, mas são séries que falam muito sobre valores como respeito ao outro e aos mais velhos. Sabe uma série sem maldade? Então, essa série é mais leve que muito desenho infantil por aí. Assisti alguns episódios com Isha Bentia e eu ia lendo a legenda pra ela. Ela adorava. E ainda ficou interessada em conhecer as letras coreanas e em saber onde fica a Coréia do Sul no mapa.

A inocência dos relacionamentos amorosos é encantadora. Os coreanos parecem ser muito respeitadores e o flerte é demonstrado nas séries de modo reservado e contido. Não que essa formalidade toda seja o melhor dos mundos, mas é muito interessante ver outras possibilidades de demonstrar afeto sem essa hipersexualização da produções ocidentais.

As aberturas das séries coreanas são espetaculares. E longas também. 1 minuto só de abertura. Pelo menos a Netflix pula essa parte quando estamos vendo em sequência.  Muitas cores e um toque divertido, parece até que vai começar um desenho animado ou série infantil.

Melhor da série: A série é dramática  e divertida na medida certa. A mocinha é tão Poliana que às vezes irrita. Mas ao mesmo mesmo tempo, coisas boas sempre acontecem ela  nos mostra a leveza e a grandeza de ver o lado bom da vida.


E vocês? Acompanham séries coreanas na Netfix? Conta pra gente!

Postado em 31 de maio de 2016 por Lu Bento

Olá pessoal! Maio terminando e finalmente eu dou as caras por aqui. Já deu pra notar que não tá fácil a vida né? Mas tem dicas da mãe preta pra fechar bem o famoso mês das mães! Bora lá?

 

Aplicativo – Trello

 

Trello-blogGente, estou encantada com esse aplicativo! É mais um aplicativo de organização e gerenciamento de tarefas, mas ele é bem funcional e intuitivo, gostei muito assim que me cadastrei e agora é o que eu mais uso, pois uso no trabalho, nos projetos com a livraria e pretendo expandir pra outras áreas. Então, se eu começar a postar regularmente por aqui é porque está dando super certo usar o trello, já estão avisados! 🙂

O Trello pode ser acessado pelo site e também pelo aplicativo, que tem pra IOS e pra Android. Tenho Android e ele funciona super bem, ficou bem mais fácil organizar meus compromissos com ele.

Onde: Trello | Trello app


Site – Como Educar seus filhos

como educar seus filhosNeste site, o prof. Carlos Nadalim fala sobre educação infantil de uma maneira bem esclarecedora, passando dicas práticas e fáceis de aplicar na educação das crianças. Um site com muito conteúdo interessante para quem pensa sobre educação das crianças e busca novas formas e técnicas para despertar as potencialidades dos pequenos. Tem uma pegada um tanto quanto religiosa em alguns aspectos, confesso que preferiria que certas referências a Deus não fossem feitas, mas é possível filtrar e passar por cima de determinadas referências se essa não for a sua praia (como não é a minha!). Ah, ele tem métodos muito voltados para a alfabetização das crianças em casa, não que eu ache que devemos nos preocupar em alfabetizar nossas crias cada vez mais cedo, mas acho muito válido que a gente tenha ferramentas para estimular o interesse da criançada em aprender e descobrir o mundo da leitura.

Ainda é possível acompanhar as dicas do site pelo canal do youtube e pelo podcast, ambos com o mesmo nome e bem fácil de encontrar.

Onde: Como educar seus filhos


Youtube – Toda mãe é meio lóki

O canal da jornalista Fabíola Corrêa é super divertido e bem produzido. A cada vídetoda mãe é meio lokio ela fala sobre um tema e dá voz a especialistas sobre o assunto. Bem legal o formato porque fica leve e informativo.  Como ela mesma diz na descrição: “O objetivo não é atingir a perfeição, e sim dizer ‘calma, vai ficar tudo bem!’, porque – muitas vezes – é só isso que a gente precisa ouvir.” O vídeo sobre sogra é muito bom!!!

Conheci o canal através de um convite da Fabíola para que eu falasse sobre uma foto que ela tirou e que viralizou na internet. Fiquei muito feliz com o convite porque é muito importante que a gente consiga dialogar também com mães não-negras que entendam que há discriminação racial e que é preciso fazer algo quanto a isso. Quem quiser ver o vídeo que euzinha contribuo, clica aqui.

Onde: Toda mãe é meio lóki


Site – Revista Trendr

revista trendrEssa é a primeira revista brasileira do Medium, uma plataforma colaborativa de textos. Entrei no Medium no final do ano passado e estou curtindo muito. Em geral, são textos mais produzidos, pensados, elaborados… nada parecido com o post do facebook. É um espaço para produção de conteúdo com foco na qualidade, e não na quantidade. E a Revista Trendr é uma revista eletrônica que utiliza essa plataforma pra agregar textos em português ( no Medium ainda há prevalece a língua inglesa), voltada para textos que falem sobre questões atuais.  Bem bacana a variedade de temas  e de textos publicados por lá.

Alguns textos aqui do blog também são publicados no Medium e eu também estou começando a colaborar com a Revista Trendr e com a O que aprendi com a vida, outra revista eletrônica mais voltada para comportamento que faz parte da Trendr.   Então tem muita coisa por lá pra quem gosta de ler artigos curtos e atuais. Vale a pena conhecer.

Onde: Revista Trendr


Plataforma – Afroflix

afroflixSaca o Neflix? Agora imagina algo parecido, mas só dando dastaque para produções de roteiristas e diretores negros? É o afroflix! É o paraíso né? Várias obras de autoria negra reunidas em um só lugar. Ainda não é uma plataforma de streaming, mas é uma plataforma que agrega as buscas por conteúdo audiovisual afrocentrado e isso já é o suficiente pra gente se sentir contemplado quando,  naquelas tardes tediosas de domingo, quer assistir uma produção preta. Muito legal mesmo! Outro ponto bacana é que o afroflix está agregando também vlogs do youtube, facilitando a busca por canais de gente preta.

Com direção geral de Yasmim Thayná e o apoio de uma equipe que já trabalha com a questão audiovisual há um tempo, o Afroflix tem um visual bem atrativo e uma proposta de dar visibilidade pra produção negra que merece ser reconhecida e apoiada.

Onde: Afroflix


Bom galera, essas foram as dicas da mãe preta de maio. Já dá pra sair um pouco do facebook e explorar novas paradas na internet né?

Até a próxima!

Postado em 29 de fevereiro de 2016 por Lu Bento

Gente, a internet é um mundo! Esse mês descobri umas coisas bem legais por aí, e claro, vou compartilhar com vocês! Bora começar mais um dicas da mãe preta?

dicas-da-mae-preta4

 

YOUTUBE -DePretas

DepretasO canal da Gabi Oliveira é uma lindeza só! Cara, estou viciadinha nele! Ela tem uma fala direta e divertida, que consegue tratar de assuntos sérios de uma forma leve, que não assusta quem não está tão conectado com a militância na questão racial. Além disso, vídeos sobre moda, cabelo, maquiagem, estilo… canal diversificado e muito divertido. A Gabi é uma graça. Apesar dela ainda não ser mãe, ela tem uns vídeos muito bons sobre maternidade, e um deles sobre não querer ter filhos, principalmente sobre filhos meninos tem me rendido muitas reflexões que em breve espero partilhar com vocês.

Onde: DePretas


Tumbrl – 100 meninas negras

100 meninas negrasAh, lá vai você falar sobre isso de novo!? Sim, vou falar porque eu estou amando o projeto, estou amando fazer essa listinha  e estou amando a repercussão que o projeto tá alcançando. Com tanto amor assim não tem como parar de falar sobre isso, não é mesmo?  Então, quem não conhece ainda, venha ver 100 livros infantis com meninas negras, é uma coletânea de indicações de livros e estou fazendo uma listinha linda e bem criteriosa. Estou lendo todos os livros pra não ficar dando dicas bobas pra vocês! <3

Onde: 100 meninas negras


Podcast – LiterárioCast

literário castO episódio 93 do LiterárioCast sobre representatividade na literatura é muito bom. O podcast todo é ótimo, eu acompanho sempre e adoro, mas esse episódio foi ainda mais legal por falar de um tema que tem muito a ver com o que a gente fala por aqui.  Eles não aprofundam na questão racial, mas falam de outros tipos de representatividade que também é importante que a gente reflita sobre.  E já que vocês vão ouvir esse episódio, indico também o episódio 92 sobre o incentivo da leitura e o episódio 88 sobre a classe social da literatura.

Onde: LiterárioCast


Site – Blogueira Negras

blogueiras negrasGente, esse já é um clássico né? Mas pra quem ainda não acompanha, corre pro site do Blogueiras Negras porque lá só tem texto bom. Tudo que a gente pensa, escrito por várias mulheres negras, cada uma na sua militância falando de política, feminismo, sexualidade, beleza, moda… o paraíso virtual das mulheres negras!

Um dos pontos mais bacanas é que o blogueiras negras dá espaço para as mulheres negras, o site valoriza a pluralidade de vozes e assuntos.

Onde: Blogueiras Negras


Netflix- The Gabby Douglas Story

Eu que não sou muito fã de filmes, aproveitei o restinho das minhas férias pra ver esse filme. Ele conta a história da ginasta americana Gabby Douglas, mostrando a vida da menina até ela se tornar o fenômeno da ginástica mundial que ela se tornou hoje. É a quela velha fórmula de filmes de superação, mas é uma menina preta né, só isso a gente se identifica e se inspira pra caramba! Eu assisti pela Netflix.

Onde: Netflix


Galera, essas foram as dicas d’A mãe preta de fevereiro.  Tem muita vida na internet além do facebook, então bora diversificar a nossa vida online!

Beijos!

Veja mais em Inspirações

31 de maio de 2016 Olá pessoal! Maio terminando e finalmente eu dou as caras por aqui. Já deu pra notar que não tá...
29 de fevereiro de 2016 Gente, a internet é um mundo! Esse mês descobri umas coisas bem legais por aí, e claro, vou compartilhar...