Todos os posts sobre Literatura
Postado em 30 de julho de 2016 por Lu Bento

Pessoal! Decidi dividir um pouco mais as coisas. Tenho recebido muitos pedidos pra mais dicas de livros infantis no LêproErê, então decidi separar as coisas e só falar de livros infanto-juvenis por lá. E este será o nosso novo espaço pra falar sobre livros mais adultos. Assim a gente fala um pouquinhod e de tudo, não é mesmo? E já que é pra falar de literatura em geral,  eu apelo logo pra minha querida, minha musa, minha top top das galáxias, a Chima. Não sabe quem é Chima?  Acompanhe o primeiro Leituras Maternas  do blog! 

Leituras

Meio Sol Amarelo

 

meio sol amareloAutora: Chimamanda Ngozi Adichie

Editora: Cia das Letras

Onde Encontrar: InaLivros

Chimamanda Ngozi Adichie. Se você nunca ouviu falar sobre essa mulher, por favor, volte duas casas. Sério, a Chima – olha a intimidade da pessoa! – é uma das maiores escritoras contemporâneas. Sim, sou apaixonada por ela. Seus livros são maravilhosos, já falei de Americanah aqui e o quanto ele foi inspirador para esse blog e agora venho falar sobre Meio Sol Amarelo.

Em Meio Sol Amarelo, Chimamanda fala sobre disputas étnicas na Nigéria, que resultaram na guerra de Biafra, a partir da vida de duas irmãs gêmeas  Igbo, Ollana e Kainene. A história não é contada linearmente, ela tem idas e vindas e a cada capítulo a história foca o ponto de vista de personagens alternados. Isso torna a leitura bem dinâmica e a gente acaba nem percebendo que está lendo um livro de 504 páginas.

Apesar do tema bem denso, Chimamanda conta a história de uma forma muito humana e apaixonada, e isso tem muito a ver com o fato dela também ser uma mulher de origem Igbo e a narrativa conter inspirações biográficas. Ela se inspirou muito nas histórias contadas por seus pais e familiares que viveram e sofreram durante a guerra.

Sou praticamente da idade de Chima e ouvi falar muito pouco (quase nada mesmo) sobre a guerra de Biafra na escola.  Infelizmente a África não era pauta nas escolas na minha época. Mas lembro bem de referências à fome e à miséria, e daquelas imagens de crianças barrigudas desnutridas morrendo de fome. Foram as imagens das crianças de Biafra que ajudaram a difundir a ideia de que em África só há fome e miséria.

Voltado para a história do livro, Meio Sol Amarelo fala também de histórias de amor (meu lado mulherzinha pira!) e Chimamanda sabe fazer isso muito bem. São romances complexos, com problemas e dinâmicas bem reais, passando longe daquele modelo de amor-romântico redentor dos romances água com açúcar.

Diante de tudo isso, nem preciso falar porque recomendo a leitura né? Chima é maravilhosa!


Espelhos, Miradouros, Dialéticas da Percepção

 

Espelhos, MIradouros e Dialéticas da PercepçãoAutora: Cristiane Sobral

Editora: Dulcina

Onde Encontrar: InaLivros

A dica agora é um livro de contos. E que livro de contos! Espelhos, miradouros, dialéticas da percepção foi uma leitura para o clube do livro do Leia Mulheres Negras. Já estava com ela em casa, na fila de espera  e por sorte, ele se tornou prioridade devido ao clube de leitura.  Que bom! Porque Cristiane Sobral faz um trabalho muito bonito de reflexões sobre negritude e identidade nessa obra.

Foi uma leitura muito gostosa e que me levou a várias reflexões sobre nossos modos de vida, sobre o impacto do racismo em nossas emoções e sobre a minha própria trajetória de reconhecimento como mulher negra. Uma leitura que vale a pena ser feita.

Acabei fazendo um bate papo com ela sobre o livro para o blog da Ina. Se você ficou curioso sobre a obra, ou se leu e quer saber o que a autora fala sobre ela, leia a nossa conversa no blog da Ina!


Gente, os livros citados hoje estão disponíveis na InaLivros, a minha livraria virtual especializada em literatura negra. E pros leitores do blog há um descontinho especial, basta colocar o código AMAEPRETA10 no final da compra, ok?

Acesse a loja: InaLivros

Então, gostou das dicas? Já leu algum desse livrou ou outros livros dessas autoras? Comente aí… ou então entre em nosso grupo no Facebook voltado para o debate sobre literatura negra, o Quilombo Literário – clube de leitura.

Beijo e até a próxima semana!

Postado em 4 de junho de 2016 por Lu Bento

Olá Pessoal! Estavam  com saudades do LêproErê?  O blog vai passar por uma reformulação em breve, o LêproErê vai virar uma atividade presencial no Quilombo Literário da InaLivros e um quadrinho específico pra crianças aqui no blog, então logo, logo teremos mudanças por aqui e será mais fácil encontrar as dicas de livros infantis. E no novo espaço Leituras Maternas falaremos sobre literatura mais adulta, assim tem espaço pra todo mundo e ainda mais conteúdo literário aqui no blog.

leproere16

Mas vamos ao que interessa nesse momento: livros! Hoje vou falar sobre dois livros infantis bem bonitos que eu conheci em maio e um  livro que eu considero leitura obrigatória para pais de crianças negras.

Bora lá?


Diarabi e Mansa

DIARABI-E-MANSA_CAPA-FRONTAL-600x600Autor: Souleymane Mbodj

Ilustração: Judith Gueyfier

Editora: Viajante do Tempo

Onde Encontrar: InaLivros

Sinopse: Há muito, muito tempo, Mansa, um jovem príncipe africano, estava à procura de uma esposa. Mas ele recusava todas as princesas que seu pai lhe apresentava e repetia, sem cessar, que queria compartilhar sua vida com uma pessoa muito especial. Assim começa a história de Mansa, o jovem príncipe de coração puro. Sua generosidade guiará seus passos até a linda Diarabi. O amor que os unirá será único, mágico. Ninguém poderá destruí-lo. Nem mesmo os feitiços e o ciúme de uma bruxa. Nem mesmo a morte…

Que livro lindo! Sério, estou apaixonada pela história e pelas ilustrações dessa obra. É uma história de amor daquelas que superam qualquer obstáculo sabe? Mas com um toque de suspense que prende até mesmo aquelas crianças que não dão bola pra histórias melosas. O autor é um senegalês que vive na França  e tem se dedicado à transmissão da literatura oral africana, então o livro tem uma pegada muito gostosa de história contada oralmente. No final do livro ainda tem uma página linda, com explicações sobre palavras utilizadas ao longo do livro, apresentando um pouco da cultura africana e dos idiomas wolof, do Senegal, e mandiga, de Gâmbia, Guiné, Mali, Burkuna, Senegal e Costa do Marfim.


A Bela Wika Ya Wuwu

a bela wika yawuwuAutora: Neuza Lozano Peres

Ilustradora: Gabriela Guenther

Editora: BestBook

Sinopse: Baseado numa história real, Wika Yawuwu virou Francisca quando aqui chegou. Seus descendentes contam o que ouviam de seus antepassados, que Francisca viera ainda menina para o Brasil como parte do rapto perpetrado por homens que buscavam em várias regiões da África pessoas para escravizar.

É um livro que marca uma resistência africana à escravização, e também nos mostra um resgate de uma ancestralidade que é nossa também. Temos muito poucas referências sobre África e sobre nossa raízes africanas e ter uma história que é contata há gerações pode descendentes dessa mulher é reconfortante e inspirador.


Entre o mundo e eu

Entre o mundo e euAutor: Ta-Nehisi Coates

Editora: Objetiva

Sinopse: Tanehisi Coates é um jornalista americano que trabalha com a questão racial em seu país desde que escolheu sua profissão. Filho de militantes do movimento negro, Coates sempre se questionou sobre o lugar que é relegado ao negro na sociedade. Em 2014, quando o racismo voltou a ser debatido com força nos Estados Unidos, Coates escreveu uma carta ao filho adolescente e compartilha, por meio de uma série de experiências reveladoras, seu despertar para a verdade em relação a seu lugar no mundo e uma série de questionamentos sobre o que é ser negro na América. O que é habitar um corpo negro e encontrar uma maneira de viver dentro dele? Como podemos avaliar de forma honesta a história e, ao mesmo tempo, nos libertar do fardo que ela representa? Em um trabalho profundo que articula grandes questões da história com as preocupações mais íntimas de um pai por um filho, Entre o mundo e eu apresenta uma nova e poderosa forma de compreender o racismo. Um livro universal sobre como a mácula da escravidão ainda está presente nas sociedades em diferentes roupagens e modos de segregação.

Ser uma pessoa negra no Brasil não é tão diferente de ser uma pessoa negra nos Estados Unidos. A proximidade com que determinadas situações são narradas ao longo desse livro e as preocupações de Coates sobre como o racismo afeta diretamente a existência de seu filho são compartilhadas por nós, leitores e pessoas negras brasileiras. É uma leitura muito intensa e poderosa nesse sentido, fundamental para pais de crianças negras e importantíssima para introduzir a conversa sobre racismo com os nossos jovens. O livro aborda questões que não podemos mais fingir que não nos afetam.


Bom pessoal, foi isso!  Semana que vem continuamos com o LêproÊre, e deve sair quinta, como o esperado. Assim que eu tiver um posicionamento quanto as mudanças de layout do site , eu aviso direitinho ok? Enquanto isso, não deixem de ver as dicas de livros que eu publico também no blog da Ina, no site da InaLivros e no nosso projeto #100meninasnegras.

Até semana que vem!


 

Postado em 14 de janeiro de 2016 por Lu Bento

No LêproErê de hoje 3 livros que eu particularmente gosto muito e que eu estava louca pra comentar com vocês. Dois de um super ator voltadas para o público infantil e  outro para ler sozinha(o). Pronta pra conhecer essas obras?

leproere14

 

Livro: Cadernos de Rimas do João

caderno de rimas do joãoEditora: Pallas
Autor: Lázaro Ramos

Sim, o ator Lázaro Ramos é autor de livros infantis! Delícia descobrir que alguem que você admira é multitalentoso né? Cadernos de Rimas do João é o ssegundo livro de Lázaro e é uma obra muito linda. Já falei aqui o quanto me surpreendi com a recepção de Isha Bentia a um livro de poesias. Desde então passei a ter outros olhos para esse tipo de obra voltada para o público infantil, inclusive eu mesma passei a ler e a querer compreender mais a poesia. Mas isso é assunto para outro post. Hoje quero falar do livro de poesias do Lázaro, que de uma maneira muito gostosa nos presenteou com versos simples e curiosos de um eu-poético jovem que ao mesmo tempo que fala de Mãe,de Autoestima e de Acaso. Eu gostei muito do livro, não acho todas as poesias dele tenham agradado às meninas, mas també acho que ele seja mais adequado para um faixa etária maior que a delas ( talvez para crianças com mais de 6 anos).

Além disso, as ilustrações são muito bonitas, um trabalho super bem feito pelo ilustrador Mauricio Negro.

Caderno-de-rimas-do-Joo_ilustrao2

Onde encontra: InaLivros

Livro: A velha sentada

A Velha Sentada
Autor: Lázaro Ramos

Editora: Uirapuru

Esse é o primeiro livro do Lázaro e conta a historia de uma menina que não queria sair do computador, só queria ficar sentada em casa. A historia se desenrola em torno disso em um enredo e bem atual e que fala bastante às crianças de hoje em dia.

O estilo difere completamente da segunda obra do autor, tanto na escrita quanto na estética e formato do livro, mas acho que essa obra é muito adequada para a leitura individual e para ser utilizada em escolas. As ilustrações são bem fofas e chamam a atenção das crianças.

Onde encontrar: InaLivros

Livro: Olhos D’água

olhos dagua

Autora: Conceição Evaristo

Editora: Pallas

Gente, esse livro é uma bomba! Não por ele ser ruim, muito pelo contrário, ele é maravilhoso. A questão é que ele realmente abala as nossas estruturas. É um livro de contos

que fala muito da realidade da população negra, em especial, das mulheres. Conceição nos trás retratos de vivências negras que são marcados por dores, desencontros e fragmentações de nossa existência perpassadas pelo racismo estrutural na qual estamos inseridos e somos alvo. Como em todo livro que fala da população negra, a minha sensibilidade e empatia com as personagens fica ainda mais aflorada e por ser um livro que foca muito na maternidade, foi uma leitura muito impactante pra mim. Já no primeiro conto que dá título ao livro, cai em prantos dentro do ônibus, com moça ao meu lado me perguntando se estava tudo bem e eu tendo que explicar que era só um livro, talvez tentando me convencer também que não há por aí inúmeras pessoas tentando sobreviver nessa sociedade que nos desumaniza.

Não que seja um livro pessimista, pelo contrário, suas histórias intensas e de alta carga emocional nos alerta para a vida que existe além das nossas redes sociais e de convivência ou das novelas de tv.

Não tinha lido nada da Conceição Evaristo ainda, já acompanhava a fama dela e estava ansiosa pra conhecer a obra da autora, e posso afirmar que foi ainda melhor do que eu esperava. Olhos d’água é uma obra que vale muito a leitura, só recomendo que você esteja e um momento emocionalmente bom, pois não é aquela leitura leve e divertida. É uma leitura densa e carregada de emoções, e que ao final, no deixa com a certeza de que um dos maiores atributos da negritude é a resistência.

Onde encontrar: InaLivros

Bom galera, foi isso! Semana que vem tem mais LêproErê!

Postado em 7 de janeiro de 2016 por Lu Bento

No LêproErê de hoje um livro maravilho que foi lançado no final do ano passado e uma surpresinha pra vocês que acompanham o blog (e a página!) da mãe preta. Bora começar os trabalhos de 2016 porque esse ano promete muita novidades e coisas boas!

leproere13

 

Livro: Quando me descobri negra

descobri-negra4Autora: Bianca Santana

Editora: SESI-SP

 

Gente, que livro lindo!  Quando me descobri negra é uma coletânea de cronicas e relatos sobre negritude e identidade que toca o coração. Então, esse livro é assim.

Eu tive o imenso prazer de ler alguns textos do livro antes mesmo de sua publicação por fazer parte junto com a autora do Círculo de Mulheres Negras da Casa de Lua, uma casa feminista de São Paulo. E desde a primeira leitura fiquei encantada com a cadência da escrita de Bianca. Não é (só) porque ela é minha amiga não, mas Quando me descobri negra trás alguns recortes do cotidiano que com os quais nos identificamos e que nos faz perceber que a sutileza do racismo e do preconceito em alguns momentos não deixa marcas tão sutis em que é alvo. Pelo contrário, faz com que a pessoa passe por uma negação da sua própria negritude e  o processo de resgate dessa identidade é também um processo de curas e reconhecimento das suas características físicas e ancestrais.

A leitura é rápida e super fluida, não é nem de longe um livro cansativo de se ler. Excelente leitura inclusive para quem não tem tanto o hábito de ler e uma boa indicação de livro para jovens que estão na efervescência do processo de construção da própria identidade.

Tive o prazer de participar do lançamento do livro com a InaLivros e posso dizer que ele é um dos nossos campeões de vendas nesse fim de ano. E todo mundo tem dado um retorno super positivo, dizendo que gostou muito do livro e se emocionou com ele.

Onde encontrar: InaLivros | site do livro

Por esses motivos, Quando me descobri negra foi escolhido como o primeiro brinde dos nossos sorteios do blog, e como a Bianca é uma pessoa linda, consegui um exemplar com um autografo lindo para a ganhadora. Corre lá na página do sorteio e e participe!

Postado em 3 de setembro de 2015 por Lu Bento

No LêproErê de hoje, destaco 3 livros que podem agradar o público juvenil.

 

leproere12

Postado em 30 de julho de 2015 por Lu Bento

Olá pessoal! Hoje é quinta-feira e finalmente voltamos com o LêproErê! No post de hoje, uma história bem fofinha para exercitar a imaginação.

LêproErê #11

Postado em 3 de junho de 2015 por Lu Bento

O I Kalma Aswad será um piquenique com contação de histórias infantis, um evento gratuito e aberto que envolverá toda a família. Entendemos que pais e responsáveis são os educadores diretos de suas crias. Nos cabe fomentar as trocas e a construção de identidades.

cartaz1 kalma aswad

 

Postado em 30 de abril de 2015 por Lu Bento

Chegamos à 10ª postagem do nosso LêproErê! Que delícia né? Que venham ainda mais dicas de livros pra criançada! Estou muito feliz em poder compartilhar minha dicas de leitura com vocês, espero que esteja sendo tão divertido e prazeroso pra vocês quanto tá sendo pra mim. Bora lá?

17

 

Livro Infantil

O mundo no black power de Tayó O mundo no black power de Tayó

Autora: Kiusam de Oliveira

Editora: Peirópolis

 

Tayó é uma menina negra que tem muito orgulho do seu cabelo crespo. Só essa premissa já faria o livro incrível, mas Kiusam consegue superar nossas expectativas nos apresentando uma menina esperta, consciente de sua negritude e de suas raízes africanas.

Esse livro é lindo e a temática é uma das mais marcantes para as mulheres negras. O cabelo, mas do que um atributo estético, é um elemento de identidade. Aprender a gostar do cabelo desde pequena é fundamental para a autoestima das crianças negras, principalmente das meninas, e esse livro faz um exaltação do cabelo crespo que nos inspira.

A menina Tayó enfrenta o racismo na escola com muita segurança e a firmeza de quem saber o seu valor. Estou louca para lê-lo pra minhas meninas, mas acho que elas ainda são um pouco pequenas pra acompanhar o livro todo. De qualquer forma, já são fãs da “tia” Kiusam por causa do livro Omo-Oba: histórias de princesas, que eu apresentei no LêproErê #01.

A edição é em capa dura, o que torna o livro bem resiste nas mãos dos pequenos. O mundo no black power de Tayó é um livro que eu recomendo pra todas as crianças pretas, principalmente para as meninas.

 


E aí, gostaram da dica de hoje? Espero vocês no próximo LêproErê! Até mais.

Postado em 16 de abril de 2015 por Lu Bento

Olá pessoal! No LêproErê de hoje dois livros pra agitar as brincadeiras com os pequenos e ajudá-los a conhecer o mundo ao seu redor. Vamos conferir?

 

16 - LêproErê

 

Livro: 150 jogos para a estimulação infantil

 

150 jogos para a estimulação infantil

Autores: Jorge Batllori e Victor Escandell

Editora: Ciranda cultural

 

No LêproErê de hoje um livro muito legal pra se ter em casa e incrementar as brincadeiras com as crianças. São brincadeiras simples, super tranquilas de serem feitas com o que tem em casa, e na maioria das vezes não precisa de nada além disposição pra brincar com os pequenos.

Comprei numa das feiras de livro de shopping, e foi bem legal porque me ajudou a incrementar as brincadeirinhas com as meninas. São atividades que podem ser feitas desde o nascimento até aproximadamente 3 anos e pra mim, mãe de primeira viagem sem crianças próximas na família e morando longe dos parentes, foi bem útil pra me ajudar a interagir com as meninas de maneira que fosse estimulante e divertida pra elas.

Não que seja uma leitura fundamental sem a qual você com conseguirá se conectar, interagir e estimular o seu pequeno. Nada disso. Mas é bem legal pra ajudar a variar o repertório. Até porque ficar brincando de sumiu-achou o dia inteiro às vezes enche o saco.

Livro: 50 maneiras de criar um bebê sem frescura

50 maneiras

Autor: Jenny Rósen

Editora:Panda Books

Essa é outra dica pras mães de primeira viagem que estão apreensivas sobre como criar um bebê. Sim, é um livro com dicas óbvias pra quem já tem filhos. Mas pra quem ainda não tem, às vezes é complicado decidir o que deixar o bebê fazer ou não deixar. Queremos ser zelosas, sem ser fresca. E definir esse limite nem sempre é fácil.

Eu gostei bastante porque li durante a gravidez, então já fui pensando aos poucos o que poderia ser aceitável pra mim ou não. Foi legal pra que eu colocasse logo Isha Bentia no chão, desse liberdade pra ela se sujar, experimentar, aprender texturas, sabores…

Eu tinha medo de ser uma mãe muito fresca, de não deixar a menina fazer nada, de ficar enlouquecida com germes e bactérias que existem em todo lugar… e o livro me ajudou a ser uma mãe que cria suas filhas no mundo real.

De quebra, a ajuda a gente a perder o preconceito com as famílias que tem bichinhos de estimação que tem contato com o bebê desde cedo. Coisas de quem não foi criada com bichos!


Então pessoal, esse foi o LêproErê essa de semana! Se você tem indicações de livros que quer ver por aqui escreva pra gente: contato@amaepreta.com.br

Até o próximo!

Postado em 9 de abril de 2015 por Lu Bento

No LêproErê de hoje dois  livros que as curicas adoram!  A galera aqui de casa tem uma certa quedinha por leões, e nesses dois livros o rei da selva é o personagem principal! Estão curiosos?

 

15

Além do leão como protagonista, nos livros de hoje tem outra característica em comum: são livros sonoros! Livro sonoro foi uma das coisas mais legais que descobrimos por aqui. Primeiro porque eles vêm com a narração de toda a história, o que possibilita que as meninas vejam os livros sozinhas e ouçam quantas vezes quiserem.  E também porque a narração nos dá várias possibilidades de interação com os livros, e tem sido bem divertido explorá-las wm nossos momento de leitura.

Livro: Toque e Sinta – Leão e os amigos da floresta

toque e sinta - leão

 Editora: Blu Editora

 Esse livro não tem propriamente uma história, mas sim frases apresentando cada um dos animais.  Além da narração das páginas, ele tem uma parte com texturas para cada animal. Gostei muito por ser um livrinho que estimula vários sentidos. Mini Bentia, de um pouco mais de um ano, ficou especialmente encantada com ele. E já ajuda a própria formação de vocabulário da criança, que vai conhecendo os animais.

Outro ponto que eu gostei muito nesse livro é que ele vem com um botãozinho para desligar os sons, o que é muito útil pra que o livro não fique fazendo barulho cada vez que alguém ou alguma coisa encosta nele.

O livro é super bacana também pra crianças que apresentem algum tipo de deficiência, pelas diversas possibilidades de interação com ele com o áudio, as texturas, a capa dura, a linguagem simples. Muito bom mesmo!

Livro: Conto de Fadas – O leão e o mosquito

o leão e o mosquito Editora: TodoLivro

Esse livro é voltado para as crianças um pouco maiores, Isha Bentia ( 3 anos) gostou bem mais desse porque ele tem uma história de fato, e isso é muito mais interessante pra ela. É um conto de fadas sobre um mosquito que adorava se vangloriar por conseguir perturbar todos os animais e nenhum conseguir pegá-lo. As imagens na lateral correspondem às páginas do livro, e acaba sendo um joguinho de procurar e achar, porque Isha Bentia adorava identificar nas páginas do livro a correspondência com o desenho em destaque. O final da história foi bem forte, e como a curica se impressiona com qualquer coisa, foi preciso uns momentos de diálogo pra ela lidar melhor com o que aconteceu.

Veja mais em Literatura

30 de julho de 2016 Pessoal! Decidi dividir um pouco mais as coisas. Tenho recebido muitos pedidos pra mais dicas de livros infantis no...
4 de junho de 2016 Olá Pessoal! Estavam  com saudades do LêproErê?  O blog vai passar por uma reformulação em breve, o LêproErê vai...
14 de janeiro de 2016 No LêproErê de hoje 3 livros que eu particularmente gosto muito e que eu estava louca pra comentar com vocês....
7 de janeiro de 2016 No LêproErê de hoje um livro maravilho que foi lançado no final do ano passado e uma surpresinha pra...
3 de setembro de 2015 No LêproErê de hoje, destaco 3 livros que podem agradar o público juvenil.